Píldora Coeducativa 11: A Princesa do Saara



El alumnado de nuestra compañera Pilar, del departamento de portugués, ha trabajado sobre la obra de Vanessa Rodríguez que os presentábamos en nuestra novena píldora coeducativa. Esperamos que disfrutéis mucho de su reinterpretación, que han titulado "A Princesa do Saara":

O livro fala numa menina que morava no Saara e vinha a Espanha nos verões. Ela desejava ir viver para lá com a sua família. Mas, infelizmente, nem sempre as coisas eram cor de rosa. Ela tinha o sonho de voar, queria levar a sua família para Espanha com ela. Achava que eles podiam ter uma vida melhor. Após uma má experiência, ela foi acolhida por um casal bondoso e sentiu-se protegida e querida pela primeira vez. Houve um verão que não conseguiu viajar por motivos de saúde. Embora ela fosse pequena, sabia que a situação era perigosa. Com efeito, o seu pai de Espanha tinha-lhe aconselhado para irem afastar a tenda para uma zona mais arejada. As comunicações no deserto eram difíceis, e houve um tempo em que ela esteve muito preocupada por não ter podido falar com os seus pais de Espanha/a sua família de acolhimento. Um dia, depois de um pesadelo, ela pôde falar com o seu pai de Espanha. Naquela altura, o seu pai biológico tinha falecido. Recebeu a notícia de que a sua mãe de Espanha tinha falecido também, e passou a noite toda a chorar e rezar. Aquele ano foi extremamente difícil de viver. O deserto era um lugar perigoso, embora fosse a sua casa, mas ela sempre terá saudades dele. Não foi em vão que os seus pais espanhóis a chamassem a Princesa do Saara. Muitas pessoas não conseguem compreender como é que ela se orgulhava da cor da sua pele, mas a sua cultura e história eram ricas. Ela teve uma infância feliz, mas com o passar dos anos, soube que tinha de mudar de estilo de vida e sair da vida que era obrigada a ter no deserto. Para além disso, o facto de ser mulher fazia com que fosse ainda mais difícil, pois significava ser vendida e forçada a casar com qualquer um. Porém decidiu não seguir o caminho marcado. Passou-se o tempo e quando foi crescida arranjou alguns animais e começou a tratar deles. Foi assim que conseguiu melhorar a vida da sua família. À revelia do seu destino resolveu ir para Espanha junto do seu pai de lá quando atingiu a maioridade. Ela tinha a certeza de que em Espanha havia uma pessoa a lutar por ela e pela sua família. Ela recebeu uma carta e rapidamente soube que era do seu pai. A carta significava liberdade, amor, mar. Guardou-a como se de um tesouro se tratasse, leu-a e releu-a até perceber o que realmente dizia. Mais uma noite, por causa da trovoada, tiveram de levantar a tenda. Cada vez era mais complicado, pois a sua mãe estava doente. Depois de ter posto o gado a salvo, leu as últimas palavras da carta. “AMIRA, MINHA PRINCESA DO SAARA, MINHA RAINHA. A CASA SENTE-SE VAZIA SEM TI. ESPERO POR TI NO NOSSO CANTINHO FAVORITO.” Ela teve imensa vontade de contar à sua família o que dizia a carta. Queria contar-lhes que quando ela se for embora, eles irão ter com ela e poderão viver uma nova vida, deixando atrás as penalidades. Daqui aos poucos ia reencontrar-se com o seu pai e conseguiria viver a vida segundo os seus critérios, sendo uma pessoa respeitada, como mulher, e orgulhosa das suas origens. Ela e o seu pai mantêm o contacto. Ainda hoje continua a guardar a carta que a fez livre: “AMIRA, MINHA PRINCESA DO SAARA...”.






Who's Behind The Blog
Recommanded Reading
Search By Tags
Follow "THIS JUST IN"
  • Facebook Basic Black
  • Twitter Basic Black
  • Google+ Basic Black